É necessário recuar a 12 de maio de 1968 para encontrar uma situação similar àquela que poderá verificar-se no dia 15 de maio de 2016 (caso a Liga não decida alterar a data prevista para a realização da derradeira ronda do campeonato). Há 48 anos, mais dia menos dia, Benfica e Sporting partiram para a última jornada separados por 2 pontos.

Tal como agora, as águias tinham vantagem na diferença de golos (48 contra 28), mas os leões foram melhores nos confrontos diretos. Venceram em Alvalade, por 3-1. Perderam na Luz, por 1-0. Uma escorregadela na derradeira jornada, constituiria o adeus ao título para qualquer dos candidatos.

A equipa encarnada, então treinada por Otto Glória, jogava em casa, frente ao Varzim. A dirigida por Rui Vitória repete o local, com um adversário diferente, o Nacional. O Sporting, de Fernando Caiado, deslocava-se ao terreno do Belenenses, então uma equipa com um estatuto semelhante àquele de que desfruta hoje o Sp. Braga, último opositor da equipa de Jorge Jesus.


Depois do triunfo na Madeira, o Benfica tem a história a seu favor

Depois do triunfo na Madeira, o Benfica tem a história a seu favor

Ninguém arriscava um prognóstico. Mesmo os mais fanáticos admitiam que... tudo poderia acontecer. Mas, não aconteceu. O Benfica, que partia em vantagem pontual, goleou o Varzim, por 8-0, e lavantou o caneco. E nem precisava de um resultado tão expressivo, já que os leões não evitaram uma pesada derrota no Restelo, por 0-4.

Benfica campeão com mais 4 pontos do que o rival lisboeta. Uma diferença que não espelha um campeonato equilibrado, no qual os leões, tal como sucedeu esta época, até foram melhores... nos confrontos diretos.